Dois dos mais aguardados NFT Games lançaram sua versão teste

Por Yago Caporali

Quer ter acesso às informações mais quentes do mundo cripto logo no começo do dia, todos os dias, na caixa do seu email? Cadastre-se gratuitamente na nossa newsletter!

Nos últimos 15 dias, dois dos mais aguardados NFT Games disponibilizaram uma versão teste dos seus jogos. Aguardados com ansiedade por parte da comunidade, esses testes dos games são essenciais para que os investidores possam compreender tanto o progresso do desenvolvimento do jogo quanto para que tenham capacidade de observar futuras oportunidades. Assim, a Projog investiu algumas horas para testar tanto Illuvium (no seu primeiro teste) quanto Guild of Guardians (na sua segunda versão). Ambos os jogos serão jogáveis na Immutable X. De forma geral, os dois games entregaram experiências aceitáveis para o que se espera. Mas ambos possuem inúmeros pontos a melhorar e progressos a serem feitos até estarem abertos a todo o público.

Illuvium entregou um private beta com gameplay aceitável, porém com uma interface um pouco confusa e com falta de informações para os jogadores. Illuvium está fazendo seu primeiro teste private beta, onde podemos jogar e testar um dos três modos de jogo que Illuvium nos promete para o futuro. Survival Mode é o nome desse modo de jogo liberado até o momento, ele consiste em ser um Auto Battler.

Um auto battler, também conhecido como auto chess, é um subgênero dos jogos de estratégia que normalmente apresentam elementos semelhantes ao xadrez, onde os jogadores colocam personagens em um campo de batalha em forma de grade durante uma fase de preparação, que então lutam contra os personagens da equipe adversária sem mais informações diretas do jogador. O gênero foi popularizado pelo Dota Auto Chess no início de 2019 e viu outros jogos do gênero lançados logo depois por estúdios mais estabelecidos, como TeamFight Tactics , Dota Underlords e Hearthstone Battlegrounds.

Os analistas da Projog puderam jogar o game por algumas horas e pode compartilhar a sua impressão sobre o jogo. Assim que abrimos o aplicativo do jogo, nos deparamos com uma interface simples com o nome dos três modos que são planejados para o jogos. Os nomes ficam localizados na parte superior da tela, porém apenas o modo Survival esteve disponível para este teste. Os outros dois modos de jogo surgiram com a frase “em breve”.

Assim que o jogador dá o play e entra no primeiro estágio do survival as coisas mudam um pouco, a interface dentro da partida é mais complexa e pouco amigável a pessoas que não estão acostumadas com jogos. No modo survival, o jogo tem duas mecânicas chaves: a primeira é a sua “mastery point”. Esta mecânica é basicamente uma moeda para colocar o seu monstro em campo. Assim, cada monstro tem seu valor de mastery point para ser usado. O player pode usar no máximo oito monstros no tabuleiro ao mesmo tempo. A outra mecânica consiste em um deck de 20 cartas de monstros, cada uma apresentando uma estratégia diferente e uma build diferente.

Aqui, cada monstro único possui suas próprias habilidades e status. Mesmo assim, é muito difícil identificar esses status por serem apenas uma pequena imagem com um número do lado sem a descrição sobre o que aquele status agrega ao monstro. Alguns jogadores mais familiarizados com games podem assimilar algumas das imagens de status com a de outros jogos, mas sem certeza de nada. As habilidades estão detalhadas na interface das cartas de cada monstro, explicando a utilidade de cada habilidade, se ela vai curar os aliados ou se vai dar um dano muito alto em um alvo único ou até mesmo se é uma habilidade de dano em área.

Os monstros lutam usando auto attack até encher uma barra de energia embaixo da sua barra de vida. Assim, quando essa barra está cheia, ele consegue utilizar sua habilidade especial. Além das habilidades e do status de cada monstro, nós temos também as composições de cada monstro. Cada um deles tem um elemento e uma classe. Em jogos de auto battler, essas composições são essenciais para a vitória e nós temos cinco elementos primários: water, earth, nature, air e fire. Além disso, há cinco classes primárias: empath, fighter, bulwark, psion e rogue.

Cada elemento e classe tem suas sinergias dentro do campo de batalha e quanto mais monstros com elementos e classes iguais maior é essa sinergia. Os monstros podem ter mais de um elemento ou classe e essa combinação faz um novo elemento ou classe no seu campo, por exemplo se o monstro tiver os elementos de water e fire, ele é um monstro do elemento steam ou se ele tiver elementos de nature e earth, ele será um monstro do elemento bloom.
Para um primeiro private beta do auto battle, o jogo está aceitável. O game Illuvium está jogável com uma gameplay básica e demonstrou as estratégias e monstros que vamos poder utilizar no futuro, porém as animações de batalha no campo são meio lentas fazendo com que o round demore, temos alguns bugs/crash no jogo e um gráfico simples com uma interface um pouco confusa e com falta de informações.

Illuvium tem grandes promessas para o futuro como um jogo no estilo open world com gráficos excelentes e uma gameplay fluida. As informações que temos até o momento com alguns vídeos de gameplay footage do modo Overworld nos diz que Illuvium já tem um MVP (produto mínimo viável) do jogo rodando e parece estar no caminho certo para entregar o jogo que foi prometido. Esse foi o primeiro teste de um dos modos de jogo que o Illuvium promete, ainda teremos o modo Overworld e o modo Leviathan. Nesses dois modos, nós poderemos testar em breve e tirar as conclusões para saber se o Illuvium está entregando o que prometeu aos jogadores.

Evolução gráfica e sonora marcam novo teste de GoG

Guild of Guardians está fazendo seu segundo teste pré-alpha (vai até o dia 26 de julho). Nessa nova versão disponibilizada para os donos de NFTs do jogo, há notáveis evoluções, sejam elas gráficas ou sonoras, mas principalmente na melhoria do sistema de combate, que agora apresenta mais desafios aos jogadores e um controle que gera mais assertividade entre o que o player tentou executar e o que aparece na tela. Além disso, foram disponibilizados novos personagens, um tutorial para familiarizar os novos jogadores tanto nas habilidades dos heróis quanto na narrativa do jogo. Esses elementos de lore permitirão que tenhamos, no futuro, um cenário mais completo dos desafios que cada personagem terá em sua jornada pelas inúmeras dungeons do jogo.

Entre os elementos que mais chamaram atenção de GoG, quando comparado com o primeiro teste beta, em abril, e este, está há nítida evolução na qualidade gráfica do jogo, com a adição de mais efeitos de luzes e sombras no cenário. Além disso, também houve uma melhora no sistema de combate, com novas opções de golpe, menos utilidade para a prática de “espamar” no controle. Por fim, também foi adicionado um modo de slow motion no momento em que o jogador utiliza seu golpe ultimate.

Parte dessas mudanças já eram planejadas e estão seguindo o roadmap desenhado pela Immutable X, mas parte vem da adição de novos talentos para a construção do jogo, vindo de empresas como a Riot e Blizzard, como ocorreu nos últimos meses. Enquanto novos funcionários são integrados ao time, neste teste os players também tiveram a oportunidade de testar novos personagens de nível raro, épico e lendário. Importante salientar que os personagens utilizados no último teste não ficaram disponíveis para uso no atual teste pré-alpha.

Outro elemento que mostra um maior polimento do conteúdo entregue para os testers foi o tutorial que auxilia os novos jogadores a compreender qual é a função de cada personagem na composição da equipe e quais são as melhores formas de utilizá-lo em combate. Juntamente com o tutorial, também foi adicionada a lore (história) de cada um dos personagens jogáveis neste teste. Isso conta melhor o enredo de Guild of Guardians e quais são os principais objetivos que os heróis possuem ao enfrentar a horda de monstros e ao invadir inúmeros calabouços.

Nossa experiência ao jogar GoG, foi de que o desenvolvimento do game segue ocorrendo de forma satisfatória, mostrando resultados e evolução ao longo dos meses, como fica visível na diferença entre o primeiro e o segundo teste. Embora ainda seja um jogo incompleto e com várias necessidades de melhora, Guild of Guardians está entregando o prometido até o momento, incluindo sendo transparente com sua comunidade de jogadores, o que aumenta sua credibilidade para o futuro.

Tanto Illuvium quanto GoG continuarão o seu desenvolvimento nos próximos meses. A Projog, por entender que os dois possuem potencial e uma base de entusiastas crescente, continuará acompanhando de perto os dois ativos e trazendo as principais novidades dos games. Para acompanhar, basta ficar ligado nas nossas redes.

***

SOMOS A PROJOG!
Somos um fundo de Venture Capital e uma research brasileira. Construímos teses de investimentos em torno da Web3. Estamos de olho em como a tecnologia blockchain reimagina maneiras pelas quais o “capital” pode ser transmitido e o “valor” cultivado. Na Projog, acreditamos que os criptoativos representam uma mudança de paradigma na relação como humanos e dispositivos se organizam, colaboram e consomem. Nossa crença no futuro descentralizado nos torna mais que investidores, mas parceiros na construção das empresas que integram nosso portfólio.

JUNTE-SE A NÓS!
Se você gosta do que estamos fazendo e quer fazer parte da nossa comunidade, junte-se às nossas redes! Estamos ansiosos para conversar com todos vocês, compartilhar nossas teses de investimento, educar e discutir ideias.
Site |Discord | Instagram | Medium |Newsletter | Linkedin | Grupo gratuito

--

--

Somos um fundo VC e uma research brasileira. Acreditamos que os criptoativos representam uma mudança de paradigma na forma como humanos e dispositivos interagem

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store